Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 Existe provavelmente uma ligação entre a religião, crença e fé e a qualidade de vida de um individuo, no sentido em que, quanto mais complicada e trágica for a realidade de uma pessoa, mais necessidade essa pessoa vai ter de se apegar a uma crença. É apenas uma teoria mas hoje em dia, verifica-se que a necessidade de acreditar em algo superior e associar-se a uma religião está a diminuir nos países mais desenvolvidos. Será que realmente existe uma ligação? É provável que sim, porque numa realidade em que a vida se mostra muito complicada, muitas mortes à nossa volta, pobreza extrema, falta de alimentação e do básico para nos mantermos bem, assim como poucas condições de saúde e educação, levam a que haja a necessidade de acreditar que há algo que nos possa ajudar a sair daquela situação. Quando mais nada parece resultar, recorremos à ajuda divina. É, como se costuma dizer, uma tábua de salvação. Também é comum, na ocorrência de uma tragédia, as pessoas procurarem um significado, uma razão para tal ter acontecido. Uma justificação que ajude a sarar as mágoas. É, mais uma vez, como se costuma dizer: “Aconteceu porque tinha de acontecer”. Será? Existirá um destino marcado para cada individuo, como se fossemos marionetas controladas pelos fios invisíveis de uma entidade suprema ou realmente não existe um por quê, um objetivo, divindades que nos socorram e o ser humano não consegue aceitar a sua insignificância. De qualquer das maneiras, se acreditar em algo ajuda alguém a superar um momento difícil, é valido. No entanto, chegar ao ponto em que há disputas para definir qual é melhor crença, deixa de o ser.

 Mas e se realmente não existir um caminho, um destino, uma razão para a existência da nossa pessoa? Se conseguíssemos aceitar esta possibilidade, a de que não existe realmente um objetivo supremo, talvez, apenas talvez, não seria a vida mais fácil? Conseguir apenas desfrutar do caminho, sem nos preocuparmos com o destino.  

 

Fim  

 Temos apenas duas certezas na vida. A certeza de que nascemos e a de que vamos morrer um dia. Talvez quem sabe, algures no futuro, alguém desacredite estas afirmações mas até lá, é isto que sabemos. No fundo, apesar da simplicidade deste pensamento não agradar à maioria das pessoas, o que fazemos no mundo é nascer, crescer, procriar e morrer. Assim o fazemos, como todos os outros animais. Sobrevivemos. Para além de esta ser realmente a base, não significa que tem de ser tudo. Viver deve ser muito mais do que dar continuidade à espécie, sem saber ao certo do porquê de lhe dar continuidade. Até que se confirme o contrário, só se vive uma vez e temos de dar uso à nossa única ficha. É curioso como a vida humana está tão centrada na questão da morte. É difícil aceitá-la porque não se sabe o que vem a seguir. Com a morte termina realmente a vida daquele ser ou há continuidade? Desde o inicio da humanidade que tentamos encontrar uma resposta a esta tão misteriosa questão e dai terem surgido as religiões para dar uma sensação de conforto às nossas mentes inquietas. E todos têm o direito em acreditar no que entenderem desde que não se entre em conflito por causa das diferentes crenças. No entanto, muito mais do que o medo da morte, talvez o ser humano tenha ainda mais medo da vida porque todos sabemos que a vida envolve sofrimento. Independentemente das respostas, do porquê da vida e de como surgiu, o que está para além do conhecido, para além da morte, o importante acaba realmente por ser "o agora". Talvez essas questões não sejam assim tão importantes como pensamos. Acabarão por ter resposta um dia mas até lá, que se viva sem medo de viver.


Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens

Aviso

Não consigo responder às mensagens. Se pretenderem uma resposta, comentem nos "comentários" dentro da publicação. Obrigada por acompanharem este blog!

Links

  •  


  • subscrever feeds


    Arquivo

    1. 2019
    2. JAN
    3. FEV
    4. MAR
    5. ABR
    6. MAI
    7. JUN
    8. JUL
    9. AGO
    10. SET
    11. OUT
    12. NOV
    13. DEZ
    14. 2018
    15. JAN
    16. FEV
    17. MAR
    18. ABR
    19. MAI
    20. JUN
    21. JUL
    22. AGO
    23. SET
    24. OUT
    25. NOV
    26. DEZ