Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



25
Mar18

Os senhores da guerra

por Pântano

 Quando se abre um livro de história o que vemos relatado, seja em que época da história da humanidade for, é na minha opinião o desenrolar de guerras e pós guerras. Não creio que algum dia o ser humano tenha conseguido, nem por uns escassos momentos, paz mundial. Vivemos neste ciclo sem fim de caos e desordem, de perdas e conquistas, mostrando que o ser humano não parece saber viver sem guerra e sofrimento. A sede de poder, de marcar território fala mais alto e talvez também, o aborrecimento. Imaginemos dois tolos sentados num telhado e aborrecidos. Decidem atirar uma pedra para baixo. O tolo que leva com a pedra, em vez de olhar para cima, olha para o lado e pega na pedra e atinge o do lado com ela e assim começa. Uma guerra não se faz sem pessoas. Alguém tem de a começar e depois alguém tem de a continuar. Parece que somos convencidos que uma guerra é necessária. Somos aliciados com muitos motivos que levam à raiva, medo, confusão. E, sem dar-mos por isso, estamos a alimenta-la. Acusamos sem saber, perdidos na nossa ignorância. Nós que matamos, morremos e agredimos, que demos asas ao preconceito. Que ganhamos com isso? Nada. Apenas os senhores da guerra ganham. Porque no fundo, nós não sabemos quais os verdadeiros motivos pelos quais lutamos. Os humanos nunca conseguirão criar um mundo perfeito mas podemos tentar aproximar-nos do ideal, pensando, antes de agir e talvez assim, dar uns novos capítulos no livro da história da humanidade. E relembremo-nos de todos os pacifistas que foram assassinados por defenderam o que todos precisam, paz, o que não convém.

 

 Fim

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Mensagens

Aviso

Não consigo responder às mensagens. Se pretenderem uma resposta, comentem nos "comentários" dentro da publicação. Obrigada por acompanharem este blog!



Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ